História dos Páras

CTP - Corpo de Tropas Pára-quedistas

Em 5 de julho de 1975, no período entre os golpes de 11 de março e 25 de novembro, as Tropas Paraquedistas foram alvo de uma grande reorganização. Foi criado o Corpo de Tropas Paraquedistas (CTP), que reunía todas as unidades paraquedistas da Força Aérea. O CTP incluía uma estrutura territorial responsável pela mobilização, instrução e administração dos militares que iriam guarnecer a força operacional do corpo, composta por:

Comando do Corpo de Tropas Paraquedistas (Tancos);
Base Escola de Tropas Paraquedistas (Tancos);
Base Operacional de Tropas Paraquedistas N.º 1 (Monsanto, Lisboa);[
Base Operacional de Tropas Paraquedistas N.º 2 (São Jacinto).

A Força Operacional do CTP era a Brigada Ligeira de Paraquedistas (Briparas), constituída por:

Comando e Estado-Maior;
Batalhão de Paraquedistas N.º 11;
Batalhão de Paraquedistas N.º 21;
Batalhão de Paraquedistas N.º 31;
Destacamento Aeroterrestre;
Grupo Operacional de Apoio e Serviços;
Companhia de Morteiros Pesados;
Companhia Anticarro;
Companhia de Comunicações.
Para além destas, outras subunidades poderiam ser mobilizadas, em caso de necessidade.


A existência do CTP com um comando próprio dava-lhe uma grande autonomia no seio da Força Aérea. O CTP era responsável pela instrução e mobilização dos seus militares, pela escolha do seu equipamento e, mesmo, pela sua doutrina. A sua autonomia e o seu progressismo tornava-os numa das melhores equipadas unidades das Forças Armadas Portuguesas. Entre outros aspectos, foi a primeira unidade militar portuguesa a ser equipada com mísseis anticarro e com veículos de ataque rápido (FAV).

Em 15 de março de 1985, o CTP foi feito Membro-Honorário da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.


Em 1991 e 1992, militares do Corpo de Tropas Paraquedistas asseguraram a segurança da evacuação de cidadãos portugueses e de outros países europeus, do Zaire (operação Blue Beam, em conjunto com militares franceses e belgas) e de Angola, em virtude dos conflitos civis que se fazem sentir nesses dois Países.


A BOTP n.º 1 (Monsanto) foi desativada em 1 de Agosto de 1991, pela Portaria n.º 985/91, de 11 de Setembro, tendo os seus meios materiais e humanos sido transferidos para a BOTP n.º 2 (São Jacinto) e para a BETP (Tancos).


A 30 de dezembro de 1993, o CTP foi feito Membro-Honorário da Ordem Militar de Avis.